ser mãe é padecer sem controle

Me disseram – ou li por aí, já não lembro mais – que uma das muitas vantagens do parto normal é que diminuía as chances do bebê ter alergias. Gab nasceu de parto natural humanizado sem anestesia, ainda envolto na bolsa, ficou seu primeiro dia de vida inteiro coberto com vernix, mamou durante horas na sala de parto e tem alergia alimentar, dermatite atópica e acabamos de descobrir que tb tem alergia respiratória.

Não, não me arrependo das dores do meu parto natural. Se pudesse voltar atrás faria tudo de novo e do mesmo jeito. Foi um dos momentos mais especiais da minha vida! Mas não milito por elas como a salvação da humanidade. Por quê? Por que se tem uma coisa que aprendi sendo mãe é que não existem fórmulas mágicas e que nossos filhos não são trofeus a serem exibidos por aí como fruto das nossas escolhas tão “empoderadas” e conscientes.

Sei que tudo tem seu fundo científico e razão de ser mas me incomoda como algo tão pessoal e único como a forma de parir pode ser usado para inflar egos, julgar decisões diferentes das suas e deixar outras pessoas com sentimento de culpa e frustração.

Se gerar, parir e criar filhos fosse ciência exata a humanidade não estaria do jeito que está. A equação não é simples e outros tantos fatores influenciam tanto quanto o nossos melhores esforços. Por mais embasadas que sejam as nossas escolhas, não conseguimos garantir que os resultados serão tão certeiros quanto as teorias dizem ser! Temos que admitir que criar um ser humano pleno e saudável está muito além de tão somente os nossos méritos e que cada uma de nós está tentando fazer o melhor que está ao seu alcance e compreensão.

Portanto, sejamos mais leves, compreensivas e verdadeiras. Não nos escondamos atrás das nossas capas de super-mulheres que só servem para encobrir a realidade de uma maternidade que – independente das vias de parto – pode sim ter (muitos) momentos de insegurança, incerteza e falta de controle. E, mesmo em meio a todos esses momentos, continua sendo paradoxalmente uma das melhores coisas da vida.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *